Contratos que utilizam tecnologia ‘blockchain’ se consolidam e já são uma tendência

Os ‘smart contracts’, ou contratos inteligentes, são uma versão aprimorada do contrato eletrônico, e vêm se consolidando em sistemas jurídicos de vários países. A partir do avanço da internet, foi criada a tecnologia ‘blockchain’, que utiliza dados e códigos em computadores, para diversas utilidades, incluindo contratos. 

Os códigos que estão no banco de dados não podem ser alterados. Para especialistas, os contratos inteligentes serão essenciais para o setor de seguros porque vão aumentar a velocidade do pagamento de indenizações e reduzir custos e erros associados ao processo manual.

Leia Mais STJ decide que mãe pode adotar filha biológica adulta

STJ decide enviar discussão sobre cálculo do ITBI para o Supremo

Alienação de bens em inventário já pode ser feita sem autorização judicial

Há uma corrente que defende que os contratos inteligentes devem ser considerados legalmente válidos e regulamentados.

Em 2017, a seguradora francesa Axa criou um seguro exclusivo para atrasos de voos baseado em ‘blockchain’, com bancos de dados de tráfego global, chamado Fizzy. O seguro ficou ativo até 2019, quando houve uma redução no número de voos no mundo.

Outra área que também será favorecida pelos contratos inteligentes é o mercado de aluguéis, já que a tecnologia permite a devolução automática do depósito ao inquilino quando ele sai do imóvel nas condições estabelecidas. 

*Com informações do El País

Compartilhar: